Indisfarçável sede de poder

Isto é o título

Em documento elaborado para a Diocese, no dia 03.09.21, afirmei: “Sempre fui – e continuo a ser – de opinião que há tarefas ao nível da administração e direcção de instituições que podem ser mais bem desempenhadas por leigos, do que por sacerdotes. (…) A realidade é que, seja ao nível da administração ou direcção de instituições, a hierarquia da Igreja, salva raras e honrosas excepções, não abre mão do poder, seja por via directa ou indirecta, o que leva à desmotivação ou afastamento de leigos diligentes e competentes”.

Em Junho de 2019, em documento enviado à Ouvidoria das Flores, sobre uma IPSS com creche e jardim de infância, referi: “Os Estatutos estão eivados de obrigações, pedidos e obtenções de licenças e autorizações, aprovações e decisões por parte do Ordinário do lugar, do Bispo, da Autoridade Eclesiástica, que até exigem licença do Ordinário do lugar para celebrar acordos de cooperação com serviços oficiais, donde provêm aliás os recursos que permitem o funcionamento da Instituição”. E comprovei, com base nos Estatutos, “que o Presidente da Direcção que não seja Pároco, fica submetido à coordenação geral, bem como a todas as vigilâncias, nomeadamente sobre a boa administração dos bens do Centro; significa que por ser leigo não merece confiança, que para além da fiscalização normal do Conselho Fiscal e das coordenações, orientações, vigilâncias e administrações do Bispo Diocesano, também é «chefiado» pelo Pároco”. Não restava outra atitude, a não ser a de recusa dum convite para uma presidência assim.

Felizmente há padres a pensar e alguns a agir de forma diferente. Aludi, no Igreja Açores, em início de Agosto de 2018, a uma riquíssima homilia de ordenação,  na qual um padre dava conselhos a um jovem ordenado, por mim tidos por cruciais, e como então escrevi, foram: “os de não dar prioridade à coordenação, à governança, à contabilização, à ocupação de postos de liderança, dos quais, como se sabe a prática presbiteral ainda muito se ocupa, em prejuízo de outros mais próprios da missão insubstituível”.

O Papa Francisco porfia e persiste na rejeição da sede de poder. No passado dia 16, expressou: “O nosso desejo de poder exprime-se de muitas maneiras na vida da Igreja, por exemplo, quando julgamos, em virtude do nosso papel, que temos de tomar decisões sobre todos os aspetos da vida da nossa associação, da diocese, da paróquia, da congregação. Delegamos aos outros tarefas e responsabilidades para certas áreas, mas apenas na teoria”. Claramente! À atenção de bispos e padres.

Artigo publicado no site igrejaacores.pt

Perfil do Autor

José Renato Medina Moura, mais conhecido por Renato Moura.
Nasceu na Horta, em 30 de Julho de 1949, mas sempre residiu nas Flores, onde foi chefe da Repartição de Finanças de Santa Cruz das Flores.
Foi eleito deputado regional pelo PSD nas I, II, III e IV Legislaturas da Assembleia Legislativa Regional dos Açores, tendo cumprido o último ano e meio de mandato como deputado independente. Foi presidente de diversas comissões parlamentares e vice-presidente do Grupo Parlamentar do PSD.
Representou os Açores na Comissão Luso-francesa. Foi Presidente da Comissão Administrativa da Federação dos Municípios da Ilha das Flores e da Assembleia Municipal de Santa Cruz das Flores.
Foi Presidente da Comissão Diretiva Regional do CDS-PP e Vice-presidente do Partido nos Açores e membro eleito por este partido na Assembleia Municipal da Horta.
Foi Diretor do Jornal “AS FLORES” durante mais de 32 anos e há mais de uma dezena de anos que é cronista com colaboração regular na imprensa regional.
Foi presidente de várias coletividades desportivas, recreativas, culturais e sociais.

Renato Moura

José Renato Medina Moura, mais conhecido por Renato Moura. Nasceu na Horta, em 30 de Julho de 1949, mas sempre residiu nas Flores, onde foi chefe da Repartição de Finanças de Santa Cruz das Flores. Foi eleito deputado regional pelo PSD nas I, II, III e IV Legislaturas da Assembleia Legislativa Regional dos Açores, tendo cumprido o último ano e meio de mandato como deputado independente. Foi presidente de diversas comissões parlamentares e vice-presidente do Grupo Parlamentar do PSD. Representou os Açores na Comissão Luso-francesa. Foi Presidente da Comissão Administrativa da Federação dos Municípios da Ilha das Flores e da Assembleia Municipal de Santa Cruz das Flores. Foi Presidente da Comissão Diretiva Regional do CDS-PP e Vice-presidente do Partido nos Açores e membro eleito por este partido na Assembleia Municipal da Horta. Foi Diretor do Jornal “AS FLORES” durante mais de 32 anos e há mais de uma dezena de anos que é cronista com colaboração regular na imprensa regional. Foi presidente de várias coletividades desportivas, recreativas, culturais e sociais.

Crónicas Geral Sociedade

Flores, 20 anos depois

Flores, 20 anos depois No dia em que escrevo, completam-se vinte anos desde que cheguei às Flores. Vinte e cinco horas de viagem no Golfinho Azul, partindo da Praia da Vitória, passando por Graciosa, São Jorge, Pico e Faial. No porão ia o meu Suzuki Samurai, carregado até mais não com coisas que achei essenciais. […]

LER MAIS
Crónica da Fajãzinha Crónicas

“Crónica da Fajãzinha #11”

José Fernandes, Maria Avelar,Jacinto Avelar, Maria Fortuna, Francisco Fortuna, António Custódio, Fátima Custódio, Verónica Eduardo, Manuel Furtado, Rafaela Furtado, Ema Furtado, Lúcia Custódio, Armando Custódio, Lurdes Henriques, Maria P. Eduardo, Ana Silveira, Maria Olívia Corvelo, José Henriques Custódio, Sidónia Cordeiro, José A. C. Freitas, Nélia Freitas, Joana Freitas, Isilda Corvelo, Maria Corvelo, Serafina Eduardo, António […]

LER MAIS
Crónicas Histórias das minhas gentes

“Histórias das Minhas Gentes #47”

Duas histórias. Duas notas. Uma de 20 escudos, outra de mil escudos. Ainda morava na casa velhinha e a minha mãe parou na casa dos meus avós para nos levar para casa. Vinha exausta de assentar blocos na casa nova junto com o meu pai. Confiou-me uma nota de vinte escudos e disse: Maria, vai […]

LER MAIS